Reintegrado Éverson quer reescrever sua história no Santos

Alô Nação Santista! Saudações Alvinegras!

Tenho lido por parte da torcida do Santos, depoimentos de revolta e indignação, em relação ao fato do goleiro Éverson ter sido reintegrado ao grupo de jogadores após ter tentado via justiça, seu desligamento do clube.

Utilizando de suas redes sociais, o próprio jogador confirmou seu retorno aos treinos e sua reintegração a rotina normal de trabalhos e convivência diária com os demais companheiros de clube, assim com um pedido de desculpas e um voto de confiança por parte do torcedor Santista!

O goleiro foi contratado no início de 2019 a pedido do então treinador Jorge Sampaoli, e sua aquisição junto ao Ceará, custou aos cofres do Santos, cerca de R$ 4 milhões.
Após assumir o posto de titular da camisa 1 peixeira, Éverson defendeu a meta Santista em 52 jogos, até entrar em uma disputa judicial com o clube.

Éverson entrou na Justiça alegando atrasos no pagamento de direitos de imagem, depósitos do FGTS, além de uma redução em 30% dos salários devido à pandemia do coronavírus.
Após uma audiência realizada na última segunda-feira, em que teve negado o seu pedido de rescisão do contrato de trabalho com o Santos, o goleiro desistiu do processo.

Arrependido e disposto a recuperar a confiança dos torcedores santistas, o Goleiro que conta com a aprovação de seu retorno, tanto por parte do técnico Cuca como de seus companheiros, Éverson publicou o seguinte texto endereçado a “Nação Santista”

Confira o texto na íntegra: 

“Na vida, tudo acontece por algum motivo.
Cheguei ao Santos Futebol Clube no início do ano passado e, desde então, carrego grande sentimento e um enorme orgulho por fazer parte da história desse gigante do futebol mundial.
Atuar pelo clube foi, e é, a realização de um sonho, que, por alguns motivos, foi interrompido no mês passado.
Tudo serve como aprendizado. Estou arrependido e quero recomeçar a minha história, me dedicar e lutar por essa camisa, como fiz desde o meu primeiro dia. Conversei com pessoas do clube e, a partir de hoje, estarei de volta ao CT Rei Pelé.
Desde que o técnico Cuca assumiu a equipe e entrou em contato comigo, ainda durante o processo, conversamos sobre acordos e a possibilidade de voltar.
Foram papos muito bons e chegamos à conclusão de que a melhor decisão seria retornar e acreditar no projeto que está sendo construído.
Sei que precisarei reconquistar a confiança de muita gente, especialmente dos torcedores do Santos, que sempre me apoiaram em campo, mas podem ter certeza de que continuarão vendo um profissional extremamente dedicado, comprometido e com mais vontade de vencer do que nunca.
Assim como aconteceu durante todo o período em que fiquei fora do clube, seguirei trabalhando muito e buscando melhorar a cada dia para ajudar de alguma forma o Santos a conquistar coisas grandes. Contem comigo!”


 Feito esse breve resumo dos acontecimentos, vamos a uma análise dos fatos.

A Questão, é que creio que todos ou a grande maioria de nós, enxerga o ocorrido com olhos de torcedor, sem a imparcialidade que a questão talvez merecesse.
Antes de mais nada, se o rapaz errou, o que não vejo desta maneira, caso tenha realmente se arrependido de verdade, como já declarou, não serei eu quem atirarei a primeira pedra ou me julgarei capaz de poder julga-lo, sequer condena-lo.
O Torcedor enxerga o caso, como uma traição imperdoável, de um jogador que ousou afrontar e confrontar seu time do coração!

 Do coração (Dele Torcedor), mas não do jogador!

Penso que seja realmente um equivoco, e no mínimo ingenuidade, se qualquer torcedor achar que a relação “Jogador-Clube”, envolve se muito, 10% do amor que existe na relação “Torcedor-Clube”.
A realidade dos fatos, é que jogadores de futebol e seus respectivos clubes, mantem uma relação puramente profissional.
Os tempos em que jogadores realmente amavam os clubes pelos quais jogavam, e raramente deixavam esses clubes para vestir a camisa de outro, há tempos não existem mais.
Penso que quem não reconhece essa realidade, continua sonhando com um futebol que não existe mais!

 Dito isso, vamos aos fatos:

Éverson enquanto empregado de uma empresa, assinou um contrato que creio eu, lhe obrigava a treinar e jogar pelo Santos, tendo como contrapartida, um salário X, direitos de imagem, premiações, bonos por metas alcançadas e etc.. Pois bem: Enquanto a parte acordada pelo jogador, era cumprida religiosamente, a parte acordada por conta do clube, não era cumprida!
Como qualquer trabalhador, Éverson se viu no direito de procurar seus “Direitos”, e foi o que fez.

Muitos torcedores do Santos, estão crucificando o jogador!
Agora pergunto aos amigos, e conto com a sinceridade de vocês:
Fosse o Éverson goleiro de outro clube, e tivesse feito o mesmo, estariam todos crucificando o goleiro?
Sou capaz de apostar que se fosse contra um Corinthians, um Palmeiras, um São Paulo e etc.. o mesmo torcedor estaria torcendo para que ele esfolasse o clube e tirasse o que pudesse!
Então só porque a questão é com o Santos que não cumpriu com o jogador aquilo que foi assinado em contrato, só porque é o nosso clube aí a coisa está certa e o errado é o Goleiro?

Me perdoem a sinceridade, mas isso é hipocrisia!
Sabemos que o Presidente do Santos, não é muito adepto de cumprir com o que fala ou assina, então não acho justo condenar o jogador por ter ido atrás dos seus direitos!
Está na hora de começarmos a mudar nossos conceitos!
Vejo muita gente falando dos erros dessa gestão, mas nada mudará enquanto nós mesmos, continuarmos achando certo aplicar uma lei para os outros e outra para nós mesmos!

 Ah Bertoldi! Mas o Éverson poderia ter entendido o momento do clube! Poderia! Claro que poderia! Mas alguém aqui, pode provar que o Presidente José Carlos Peres, chamou os jogadores para uma conversa sincera, colocou a situação às claras, e pediu a compreensão de todos para que por conta da paralisação dos campeonatos e portanto sem o clube ter de onde tirar receitas, eles (Jogadores) por um período pudessem compreender que seus salários poderiam atrasar ou teriam que ser reduzidos para que todos pudessem receber menos, mas recebessem em dia? Que eu saiba não!
O que houve foi que a revelia de todos os jogadores, e ao contrário da maioria dos clubes que acertaram com seus jogadores, uma redução de 30% em seus vencimentos, o Presidente do Santos simplesmente sem consulta ou acordo algum, cortou não em 30, mas em 70%, o salário dos jogadores!

Então não sei vocês, mas eu me pauto sempre por analisar os dois lados de um fato! Como simplesmente um mero empregado do clube, o goleiro se sentiu no direito de buscar seus direitos na justiça!
Deixo aqui apenas uma reflexão: Não fosse o Éverson um jogador de futebol, e do clube que torcemos, ele seria crucificado por ter ido buscar seus direitos?

Para finalizar o que penso, não esqueçamos de alguns fatos importantes.

  • Primeiro: O Goleiro é um patrimônio do clube, e como tal, tem que ter sua imagem preservada e não queimada!
  • Segundo: Se vai continuar recebendo seu salário, então que fique apto a jogar né? Ou vai ficar ganhando sem fazer nada como ficou o Bryan Ruiz quase dois anos?
  • Terceiro: Não sabemos se o Vladimir vai continuar no clube. Até onde sei, seu contrato termina no final do ano e até agora ninguém da Diretoria o procurou para falar em renovação.
  • Quarto: Se o Vladimir não ficar, ficaremos só com o João Paulo e o John? E se um dos dois se machuca? Precisamos sim de outro goleiro!
  • Quinto e último: Torcedor por mais passional que seja, jamais vai vaiar, ou torcer contra o goleiro que por ventura estiver no gol.

Por fim: Torcer para o Santos, não nos obriga a deixar de ter o discernimento do que é certo ou errado!
Contrato é para ser cumprido, e aquilo que foi assinado só pode ser alterado com consentimento e acordo de ambas as partes!
Como diz o ditado: “O Combinado não sai caro”

(Crédito: Imagem: Ivan Storti/Divulgação/Santos FC)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.