O bom filho a casa torna

 Alô Nação Santista! Saudações Alvinegras!

Agora é oficial e não tem do que recorrer!

Em reunião realizada na última terça-feira na Vila Belmiro, a Comissão de Inquérito de Sindicância (CIS), referendada pelo Conselho Deliberativo, considerou ilegal a decisão do presidente José Carlos Peres, que baixou uma portaria publicada no ano passado, na qual diminuía poderes do vice-presidente Orlando Rollo, além de cercear absurda e arbitrariamente, suas funções como vice-presidente do Santos Futebol Clube.

Embora a justiça tenha sido feita, o (Blog Sergio Bertoldi), não pode deixar de mencionar o absurdo que foi, a Comissão de Inquérito de Sindicância (CIS), ter demorado 1 ano e dois meses, para fazer justiça e mais: Para chegar a uma simples conclusão de que tal “Portaria” foi um absurdo e nítido “Abuso de Poder”.

Verdade seja dita, o Presidente José Carlos Peres, jamais teve a intenção de dividir com seu vice-presidente e companheiro de chapa (Orlando Rollo), a administração do Santos!

A Mascara do Presidente começou a cair, no momento em que todos puderam ver quais as suas reais intenções, (Dirigir o Santos como um Bom Ditador), pois logo no primeiro dia em que foi convidado pelo ainda então Presidente Modesto Roma Jr, para iniciarem o processo de transição dos mandatos, Peres pegou sua “Turminha”, se mandou para a Vila Belmiro sem sequer comunicar seu vice, em uma clara demonstração de que sua ideia, já era colocar Rollo de escanteio desde o começo!
O Presidente nunca teve muita afinidade com as ideias do companheiro Orlando Rollo, e só se aliou ao rapaz, pois sabia que sem os votos do Rollo, com outro “vice” jamais venceria o Modesto!  

Vamos relembrar um pouco como essa história toda começou:

Em dezembro de 2017, a chapa “SOMOS TODOS SANTOS”, encabeçada pelo candidato à Presidência do Santos Futebol Clube, José Carlos Peres, tendo Orlando Rollo como vice-presidente, venceu as eleições do clube com 1.851 votos, 32,6% dos 5.676 votos válidos.
Envolvido em um clima de crise política, praticamente desde o começo de sua gestão, José Carlos Peres sofreu ainda em seu primeiro ano de mandato, um processo de impeachment.
Duas denúncias foram apresentadas ao Conselho deliberativo, pedindo o impeachment de Peres.

A primeira denúncia foi feita pelo conselheiro Alexandre Santos e Silva, e apontava como irregular uma portaria publicada por ele, na qual define que todas as contratações devem ser decididas pelo presidente, ignorando o Comitê de Gestão, principal órgão administrativo do clube.
A segunda denúncia foi apresentado pelo conselheiro Esmeraldo Soares Tarquínio de Campos Neto, e o acusava de ser sócio em uma empresa de agenciamento de atletas, a Saga Talent Sports & Marketing,

Em 10 de setembro, os dois pareceres solicitando o impeachment de Peres foram aprovados por membros do Conselho Deliberativo do Santos com 165 de 242 votos em uma votação e 164 de 239 na outra.
A decisão final de acordo com o estatuto do clube, foi tomada em votação realizada pelos associados do Santos, que propositadamente foram convencidos por uma campanha suja e mentirosa, realizada por simpatizantes e seguidores do presidente, que conseguiram incutir na cabeça dos Associados do clube, que aquele processo de “impeachment” era apenas uma desculpa para os apoiadores do vice Orlando Rollo, darem um Golpe para tomar a Presidência do Peres!
Resumindo: Conseguiram transformar a votação do impeachment, em uma disputa “Peres x Rollo”

Peres foi absolvido do processo, salvo por 2.001 contra o impeachment, 1.155 a favor do impeachment, oito nulos e um branco; total de votos: 3.165

Votação tranquila que manteve Peres na Presidência do Santos

Daí em diante, a vida do Vice-presidente Orlando Rollo, dentro do Santos futebol clube, virou um inferno!
Questionado pela imprensa, em certa ocasião o Mandatário Santista chegou a responder: “Olha, divergências são comuns nos clubes, acontece em todos os clubes. No Santos houve pequenas divergências e tenho certeza que elas serão sanadas em breve. Tenho certeza que o clube está funcionando 100%. Isso é uma questão de entendimento e vai ocorrer nas próximas horas. Tudo isso será resolvido”.

Porém após negar por várias vezes quando perguntado sobre o assunto, Peres finalmente admitiu que havia desentendimentos e o relacionamento já não era mais o dos tempos de campanha.
A Coisa toda chegou a tal ponto, que claramente rompido com seu vice, e sem fazer mais questão alguma de negar o problema entre os dois, Peres mandou baixar uma portaria que tirava de Rollo, suas atribuições em relação ao futebol feminino, esportes olímpicos e a segurança do clube.
A portaria determinava que nenhum departamento do clube ou funcionário, atendesse qualquer tipo de ordem ou solicitação de Rollo, “sob pena de sanção disciplinar”.  Até o seu E-mail, foi bloqueado!

Portaria emitida pelo Presidente Peres

Indignado, Orlando Rollo chegou a declarar que sua função no clube naquele momento, se restringia a alimentar os peixes da sala da presidência.
Definitivamente não havia mais clima nem condição alguma para a continuidade de um trabalho, que agora lhe era tolhido!
Foi quando então, certo de que não haveria o que fazer, o vice-presidente do Santos, protocolou na tarde de segunda-feira (28 de Janeiro de 2019), um requerimento pedindo o seu afastamento do cargo.
Em documento entregue ao Conselho Deliberativo, o dirigente diz que, por decisão do presidente José Carlos Peres, foi impedido de exercer as funções de vice, como ter acesso a documentos do Clube, falta de poder junto ao Comitê de Gestão, entre outras coisas.

“Pedi meu afastamento por jamais querer prejudicar o Santos. Não tenho apego ao poder. Estou afastado das decisões, muitas das quais não concordo e quero deixar claro meu posicionamento. Fui eleito pelo sócio para exercer a plenitude do cargo e isso me foi retirado. Agora passo ao Conselho (Deliberativo) que vai tomar a devidas providências, inclusive esclarecendo qual o período que posso me manter afastado”, afirmou Orlando Rollo por meio de nota enviada à imprensa.

Desde então Rollo vinha se mantendo afastado da vida política e de suas atribuições no Santos!
Com a retirada da decisão de Peres, Rollo poderá circular livremente pelo clube e terá seu e-mail desbloqueado. O vice estava afastado do cargo desde o começo deste ano.
Após a decisão dos conselheiros, Rollo se pronunciou através de suas redes sociais:

“Sobre a portaria ilegal emitida pelo Sr José Carlos Peres retirando as minhas atribuições estatutárias de vice-presidente, e consequentemente o meu retorno as minhas atribuições, tenho a dizer que pretendo seguir as determinações estatutárias e a decisão soberana do egrégio Conselho Deliberativo. Entretanto, aguardo ser notificado oficialmente sobre os termos e condições do meu retorno” – publicou o vice.

Após inúmeras críticas públicas, ao tomar conhecimento da decisão do Conselho de cassar sua “Irregular” Portaria, o presidente José Carlos Peres promete cordialidade com seu vice em seu retorno as atividades no clube!

Tomara, mas estou pagando pra ver!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.