Sob Pressão

Alô Nação Santista! Saudações Alvinegras!

“Sob Pressão”

Inegavelmente é esse o clima que antecede o próximo compromisso do Santos Futebol Clube, quando na quinta-feira, enfrenta no Rio de Janeiro a equipe do Fluminense, no estádio do Maracanã em partida válida pela vigésima primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

 A partida acontece a partir das 20h (horário de Brasília).

Os últimos resultados negativos obtidos pelo Santos, inclusive três deles ocorreram jogando em casa, quando conquistou nestes jogos, apenas dois pontos em nove disputados, fizeram com que tanto jogadores como consequentemente o treinador Jorge Sampaoli, cheguem nesta 21ª rodada, a segunda do returno do Brasileirão, bastante pressionados a buscar uma vitória mesmo jogando na casa do adversário!

O antes badalado e praticamente incontestável treinador Santista, necessita urgentemente de uma vitória, e de preferência convincente, para restaurar a paz e a confiança abalada!

Tenho uma ideia bem formada a respeito do técnico Jorge Sampaoli.

Na minha opinião, Jorge Sampaoli que alguns acham o “Suprassumo dos Técnicos”, o maior responsável pela Campanha do Santos no Brasileirão 2019, não é nada disso!

A verdade é que o treinador Santista, conseguiu se sobressair enquanto foi novidade e ninguém aqui no Brasil conhecia de perto seu estilo e modo de trabalhar.

Hoje, passados nove meses trabalhando como treinador do Santos, vemos que erros e acertos do treinador Argentino, são absolutamente os mesmos cometidos por qualquer treinador Brasileiro, que alguns colegas da Crônica Esportiva, andaram desmerecendo!

 Não vamos nos esquecer, que a forma também diferenciada de preparar o time na “Pré Temporada”, mesclando desde o primeiro dia, trabalhos com bola e carga física, deu ao Santos uma vantagem física inicial, perante as outras equipes que continuavam sua preparação tradicional: Uma ou duas semanas de pesados treinamentos físicos para depois sim, iniciar os trabalhos com bola!  

Era notório que aquela correria, aquela marcação alta e sob pressão, aquele volume de jogo numa intensidade insana, não durariam a temporada toda, e logo as demais equipes se equiparariam ao Santos no quesito “Preparação Física”.

Preparação Física que aliás, passou de diferencial positivo no início da temporada, para atual diferencial negativo, em vista a notória decadência física que o time demonstra, principalmente na segunda etapa das partidas.  

Leiam a declaração dada ao final da partida, feita pelo atacante Cebolinha do Grêmio, sobre o que o treinador Renato Gaúcho falou para eles no intervalo do jogo:

“O Renato disse para nós, que o Santos no segundo tempo, cai vertiginosamente de produção! Que o Santos no segundo tempo, se debilita! Não tem pernas, não tem fôlego e não tem pegada! Então vamos pra cima do Santos no segundo tempo, porque o Santos não aguenta! Podem ir pra cima do Santos sem medo de contra-ataques porque o Santos no segundo tempo, morre! Palavras do Senhor Renato Gaúcho aos seus jogadores no intervalo!

Já no quesito tático e técnico, também seria apenas uma questão de tempo, para que os treinadores adversários, pegassem o jeitão da coisa e assimilassem como parar o time do Santos!

O primeiro a brecar as até então, exibições de “Gala” dos pupilos do Sampaoli, foi o treinador Vinícius Bergantin, que dirigindo o modesto Ituano no Campeonato Paulista, infligiu uma derrota acachapante pelo placar de 5×1 em pleno Novelli Júnior, com três gols marcados em menos de 20 minutos de jogo!

Dali em diante, outras derrotas mais elásticas aconteceram, principalmente em função de uma ofensividade por vezes exagerada do time do Santos, aliadas ao trabalho do treinador Santista que começava a deixar de ser novidade e passava a ser mais bem compreendido pelos adversários!

 Independente de qualquer outra questão, inclusive “Extra Campo”, a verdade doa a quem doer, é que o badalado e para mim, superestimado Sampaoli, tem um repertório bem fraquinho, um superego e uma vaidade extrema, além da teimosia também!

 Algumas “Invencionices”, também podem ser creditadas nessa conta!

Em várias oportunidades, escrevi que bastava ao treinador Santista fazer o bom, simples e eficiente “Arroz com feijão”, que teria êxito em seu trabalho!

Mas não não é mesmo? Por que fazer o óbvio se posso tentar algo mirabolante que se der certo, me consagro?

Posso estar enganado mas para mim o repertório do Milongueiro, terminou!

Seus chiliques e ataques à beira do gramado já perderam a graça, se é que algum dia já tiveram, ou se algum dia surtiram efeito!

Aliás penso que aqueles chiliques exagerados, se surtem algum efeito, é o de passar intranquilidade a equipe e acrescerem cartões amarelos a ficha do treinador!

Pergunto aos amigos que defendem o trabalho do Argentino, qual foi a partida na qual o Santos saiu inferiorizado no placar, que tenha conseguido virar o resultado?

Quando o Santos começa vencendo e sai na frente no placar, aí é uma maravilha!

Porém quando o Santos sai atrás no placar, dificilmente consegue reverter a situação, tal a desestabilidade emocional que emana principalmente, de seu treinador à beira do gramado e transfere esse nervosismo para dentro do campo! Não é possível que um treinador, fique pela segunda vez, suspenso e impedido de comandar a equipe em um jogo oficial, por ter tomado o sexto cartão amarelo!

 Recebi a informação de uma fonte bastante confiável, que há cerca de três rodadas, quando após aquele empate contra o Fortaleza, Sampaoli foi criticado pelos líderes do elenco, inclusive publicamente, houve então uma reunião fechada, somente entre os jogadores e a Comissão Técnica, e muita roupa suja foi lavada! Reunião inclusive que na ocasião, teve por principal finalidade trazer o grupo de volta as mãos do treinador pois o que se dizia era que o Sampaoli tinha perdido o comando do Grupo! Tenho sérias desconfianças de que o ambiente no vestiário, está rachado.

                                                                                                            

Panelinhas formadas por grupinhos que em comum, parecem ter apenas o descontentamento com algumas ideias e métodos do treinador, como por exemplo nunca saberem quem irá jogar ou em que posições irão jogar, dadas as invencionices do comandante!            

 Se o caso é esse eu não sei, o que sei é que pelo andar da carruagem, no mínimo o comandante Santista parece não estar mais conseguindo tirar Leite de pedra como muitos diziam!

(Crédito: Imagem: Gazeta Press)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.