José Carlos Peres sofre nova derrota e vê confirmado o parecer que reprovou suas contas

Alô Nação Santista! Saudações Alvinegras!

O Conselho Deliberativo do Santos Futebol Clube, esteve mais uma vez reunido em caráter de “Sessão Extraordinária”, que foi realizada na noite desta última segunda-feira 03 de Agosto de 2020, com primeira convocação às 19h00 e segunda convocação às 19h30, em assembleia tendo como finalidade, analisar e posteriormente colocar em votação, o parecer que já havia sido dado pela Comissão de Inquérito e Sindicância (CIS), e que após defesa apresentada pelo Presidente José Carlos Peres sobre as contas referentes ao exercício de 2019, recebeu por parte do Conselho Fiscal, um novo parecer sobre o balanço financeiro do Clube, reafirmando a  recomendação indicando a reprovação das contas.

Em decorrência da Pandemia, a reunião foi mais uma vez realizada em formato virtual digital, (Videoconferência), e assim como já houvera ocorrido a exatos 34 dias, quando na noite de 30 de Junho, os conselheiros do clube votaram pela reprovação das contas da gestão do presidente José Carlos Peres, referentes ao exercício de 2019, agora pouco mais de um mês depois, o resultado de reprovação, se repete, imputando ao Presidente, mais uma dura derrota dentro do Conselho Deliberativo.
Por ampla margem de votos as contas foram novamente reprovadas, complicando e maculando mais ainda a atual gestão do Mandatário Santista!

Confira o resultado final da votação:

  • 170 votosa favor da reprovação das contas;
  • 03 votos contra a reprovação das contas;
  • 03 abstenções.

Mesmo apresentando um “Suposto” superavit de R$ 23,5 milhões, em decorrência da venda do jogador Rodrygo Góes ao clube espanhol Real Madrid, os Conselheiros em maioria esmagadora, deram anuência ao parecer elaborado pelo Conselho Fiscal, que orientava, indicava a reprovação das contas, baseados em irregularidades, prestações não dadas ou mal explicadas, como por exemplo: A negociação envolvendo a venda do jogador Bruno Henrique ao Flamengo, o pagamento de comissões a agentes como a que foi paga ao filho do empresário Renato Duprat, o uso indiscriminado, do cartão corporativo para fins pessoais, (O que estatutariamente é vedado), assim como o não pagamento, da parcela do acordo com a Doyen que deveria ter sido quitada em setembro do ano passado.

Com o parecer aprovado, o caso agora será enviado para a CIS (Comissão de Inquérito e Sindicância), porém sem que o presidente ou qualquer membro do Comitê de Gestão, seja afastado!
O que poderá ocorrer daqui para frente, seria mais um pedido de abertura de um novo processo de impeachment contra o presidente José Carlos Peres por gestão temerária.

Caso um novo pedido de impeachment seja protocolado, após o recebimento do mesmo o presidente do Conselho terá que encaminha-lo para a CIS em até 5 dias!
Uma vez que a CIS tenha recebido, a mesma tem cinco dias para citar o presidente.
Por sua vez, após a citação, o presidente José Carlos Peres disporia de 10 dias para apresentar a sua defesa. A CIS teria então mais sete dias para emitir o seu parecer.
Caso a CIS emita um parecer favorável, entendendo haver fundamentação que sustente um novo pedido de o impeachment, o Conselho Deliberativo precisa ser convocado para votar o pedido.
O pedido de impeachment necessita de no mínimo, da presença de dois terços dos conselheiros para ser aprovado.

Em caso de uma aprovação, o presidente obrigatoriamente teria que ficar afastado do cargo por um período de 60 dias, período esse que seria o tempo para que a data de uma assembleia de sócios, ocorresse!
Lembrando que a situação do presidente, pelo menos a respeito do que ficará registrado na história, é a pior possível.

Além de ter tido suas contas reprovadas nos dois primeiros anos de sua gestão –2018 e 2019, a situação financeira em 2020, seu último ano à frente da direção do Santos, não é nada boa!
Somente nos primeiros três meses do ano, o clube já acumulava um déficit de quase R$ 20 milhões.

Conversamos com o Advogado especialista em Redes Sociais, e Conselheiro do Santos FC, Raphael Vita, que gentilmente nos atendeu, e agora explica com embasamentos jurídicos, o que ocorreu na reunião do conselho e seus futuros desdobramentos!

 

Resumo da ópera: A “burrocracia” Escrita assim mesmo de forma proposital, é tão grande, que faria com que qualquer pretensão de tirar o presidente José Carlos Peres do seu cargo antes do final de seu mandato, seria impossível.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.